09 / AGO / 2017
Meninas afegãs usam skate para lutar contra a opressão

A gente tem a sorte de viver em uma sociedade onde as mulheres já batalharam pra caramba e tiveram muitas vitórias. Hoje a gente trabalha, vota, usa calça comprida, namora quem a gente quiser... e anda de skate. Tudo isso parece super comum pra você? Então pergunta pra sua avó ou bisavó se no tempo dela era tudo assim, de boa!

Só que o que a gente às vezes esquece é que nem todos os lugares são assim. No Oriente Médio, as meninas ainda são muito reprimidas e têm pouca liberdade para tomarem decisões e fazerem o que querem.

 

Por isso a gente ficou mega emocionada quando viu uma matéria contando que tem meninas andando de skate por lá.

 

Tudo começou em 2007, quando o skatista australiano Oliver Percovich começou a ensinar algumas manobras para uma molecadinha em uma visita a Cabul, capital do Afeganistão. Conhecer aquela cultura emocionou tanto o cara, que acredita que o skate pode mudar a vida das pessoas, que ele criou a ONG Skateistan. A ONG é uma escola onde as crianças aprendem a andar de skate e são ensinadas a estudar e ocupar o seu tempo livre da melhor forma. Pra você ter noção do quanto a cultura local limita, essa escola é o único lugar onde é possível ver meninos e meninas interagindo e dividindo o mesmo espaço.

 

O que mais emocionou a gente foi saber que quase metade dos alunos são meninas. A gente sabe que nós garotas somos minoria no skate no mundo todo, mas já pensou num lugar onde as mulheres praticamente não têm direitos? É demais! <3

 

A experiência é tão única que uma das meninas comenta: “Através do skate eu comecei a sonhar de novo. Saber que consigo fazer algo bem e ter professores que me apoiam, me ajudou a acreditar em mim mesma”. Outra disse: “eu sempre gosto de subir as rampas. Quando eu estou lá em cima eu me sinto livre, como se estivesse voando. Eu adoro essa sensação”.

Que lindo, né?

;